Número três - o dia da funda São na ExpoFoda

Visita o blog «a funda São»... a afundar todos os dias, desde 2003!

  

ExpoMilly

DA “TRAVIATA” À “CARALHATA”

 

É assim mesmo e mais nada!

A estrela porno italiana Milly D’Abbraccio (www.millydabbraccio.com, em Portugal a promover os videos da Papillon, www.papillon.pt), passou da “Traviata” para a “Caralhata” sem problemas de maior.

Entrou em filmes de Fellini e Zefirelli! Em “La Traviata” (em que entrou Placido Domingo), fez de “Zingarella” (cigana). E depois a vida fez-lhe um “forward” para o cinema porno.

 

Milly D’Abraccio e Luís Graça (ou ao contrário?!)

(crica na imagem para ampliar)

 

Alta, exuberante, furacão transalpino com lábios carnudos e seios supersize, vestido laranja a chamar as atenções, recebeu-nos amavelmente no “stand” e trocámos impressões sobre várias coisas que até nem têm nada a ver com a pornografia.

Por exemplo, o futebol, que não lhe diz rigorosamente nada. Se é bastante possível que Luís Figo não saiba quem é Milly, pode-se dizer que Milly também não sabia que Figo joga na selecção portuguesa e no Real Madrid.

- Do futebol conheço o Pelé e o Maradona.

Então e a Ferrari, também não lhe diz nada?

- Ah! Isso já é diferente. Gosto do Schumacher. E nas motos do Valentino Rossi.

Então e Lisboa?

- Grande confusão! Muita gente! Não conheço ainda muita coisa, mas os portugueses parecem-me bem simpáticos. Acho que são um pouco parecidos com os espanhóis.

Milly tem neste mês de Julho projectos de rodagem para a F.M. VIDEO, com produção de Giuseppe Matera. Para a Papillon, mas não tem nada a ver com o Henri Charrière que andou a lutar pela vida na Guiana francesa. E se ele metia um tubo (o “governo”, onde guardava dinheiro) pelo cu acima, para se safar, Milly não tem de mijar para o focinho de nenhum búfalo para que as pessoas gostem dela.

E no que toca à hipótese de se tornar realizadora?

- Uma coisa de cada vez. Para já não penso nisso.

Estava feita a entrevista. Milly perguntou-nos se tínhamos visto muitos filmes dela. Dissemos que não havia muitos em VHS e que era difícil encontrar os seus filmes nos clubes de vídeo.

Os senhores espanhóis da Papillon garantiram que as coisas vão mudar e que Milly ainda vai conquistar os portugueses.

Despedimo-nos dela, dos senhores da Papillon, trocámos cartões e circulámos pelo Salão. É aquela base. Até porque havia um bêbedo a espreitar pelas ripas do “stand” da Papillon. Rasgou uma revista, ficou só com os olhos à mostra e não dizia nada.

Mas também se dissesse desconfio que seria uma coisa do estilo:

- Chefe, mais uma imperi... imperi... cerve... foda-se, imperial, caralho! Tenho sede!

L.G.

 

Nota Ediclitorial - Para quem se queixa que aqui não há fodografias, toma lá calendários da Milly D’Abbraccio para pendurares na tua oficina:

 (calendário 2004)

(calendário 2003)

(calendário 2002)


  

O CHICOTE DE QUEM?

 

Encontrámos a dominadora Mistress Basia (www.planetbasia.com) no stand da Orgasmiktoys (www.orgasmiktoys.com), a fazer o seu shoppingzinho da ordem.

E nós, que nem somos de modas, fomo-nos a ela que nem tarzões:

- Gosta de Banda Desenhada?

- Gosto imenso.

- Conhece as histórias do Bruno Brazil (é com S ou Z? Porra que não me lembro), do William Vance?

- Não.

- Sabe, uma das heroínas da série chamava-se Whip Rafale e fazia maravilhas com um chicote.

- Isso é muito interessante. Como posso saber mais sobre isso?

- É colocar no Google ou pesquisar num grande site de BD, como o BD Paradisio. É fácil, é barato e dá milhões.

- Muito obrigada. Vou mesmo ver.

Ai estas dominadoras simpáticas que gostam de Banda Desenhada... metem algum medo, assim vestidas normalmente, com uma cara bonita e um diálogo interessante?

L.G.

 

  

DICKATORIAL

Ó ELVAS, Ó ELVAS

ESPORRADELA À VISTA

 

Quem disse que os alentejanos são lentos? E que as planícies não dão bons trepadores? Esta é a história indesmentível de João Fernandes, um ciclista amador que gosta mais de trepar do que de rolar e que veio para Lisboa com a firme ideia de se vir a revelar em cima do palco. Prova superada, o homem veio-se como gente grande! 

O "casting" para actores porno encarregou-se de contrariar de forma peremptória a ideia de lentidão e preguiça alentejanas. Relembrando o árbitro eborense José Pratas: "Os alentejanos são homens de faca na liga, não têm medo de nada"

No palco da IFG, onde Roberto Chivas tem animado as hostes e Bibian Norai reinado incontestavelmente, houve sémen a voar pelo espaço sideral. E sémen alentejano de Elvas. Já lá vamos. Contemos a história desde o início. 

Tudo começou por volta das 18 e 30 horas de uma tarde quente de Julho de 2005. 

Um cavalheiro loiro de boa pinta foi o primeiro a passar a "prova dos novos", sentando-se a observar a performance dos companheiros de palco, com ar satisfeito e tranquilo. 

Eram perto de uma dezena, "boxers" à mostra e calças pelo solo, na tentativa de manter uma erecção estável, perante o olhar castigador e satírico de centenas de espectadores e espectadoras. Não é fácil conseguir uma erecção nestas condições. Pois se até para mijar a malta não gosta de ter ninguém no urinol do lado... 

Bibian Norai ia explicando que semi-erecções eram apenas uma manifestação de boa vontade. Que o importante era provar que se conseguia manter uma erecção estável. E sem a ajuda da carioca Dunia. Quer dizer, sem ela lhes tocar. Dunia ia-se despindo e mantendo olhares provocantes, mas numa fase inicial os jovens cavalheiros estavam por conta própria. Mãozinha dentro dos "boxers", tentando ganhar um lugar ao sol, que a vida está difícil. "One shot", como se diria no filme "O caçador", de Michael Cimino, em que era preciso abater o veado com apenas um tiro. 

Bibian Norai e Dunia iam fazendo o ponto da situação (ou da erecção, como quiserem) e reportando ao público o que se passava. Na área reservada aos repórteres fotográficos, as máquinas mais pareciam testemunhas comprometedoras, como espingardas num pelotão de execução. 

Do lado de trás do palco, a checa Jane Darling divertia-se verdadeiramente a gravar no telemóvel as tentativas dos amadores portugueses. Era um momento de grande emoção. O momento mais "hard" do Salão, a grande hora da verdade, em que se nota quem é capaz de singrar na curva da vida. Como diria o piloto argentino Carlos Reutemann, a curva que "distingue os homens dos rapazes". Numa simpática demonstração de apoio moral, Dunia lá começou a chegar-se aos rapazes e dar-lhes duas mãozinhas, já toda despida. Por um lado, para confirmar as erecções, por outro para ajudar à causa de elevar o nível do espectáculo. 

João Fernandes, 29 anos confiantes em defesa da honra regional da raia (sem medos), ganhou balanço, preparou o sprint cuidadosamente, sacou da sarda para fora e...vai disto! Olha o belo do sémen alentejano a cumprir um movimento elíptico pelo palco do Salão de Lisboa! 

Prova rigorosamente superada, à moda de S. Tomé, com centenas de testemunhas. A brasileira Dunia aproximou-se dele e enfiou rapidamente o viril falo moreno para dentro das cuecas brancas. Estava salva a honra do Alentejo, estava salva a honra de Elvas. Paco Bandeira pode compor mais uma balada épica em homenagem ao seu conterrâneo. 

Já ao lado do loiro vencedor, um "sprinter" à prova de choque, que chegou à meta em menos de um jacto, o ciclista amador continuava cheio de pedalada, mão nas cuecas, tentando uma segunda volta do campeonato. Acalmaram o rapaz. A etapa estava já ganha. E para que não restassem dúvidas, não era o controlo anti-doping que metia medo ao garboso atleta, que fez questão de se dirigir à mole humana que se acotovelava para assistir às proezas lusitanas: - Isto foi tudo sem pastilhas nenhumas! Agora imaginem lá o que seria com pastilhas! 

Ah! valente! Estava o João a descer para a zona de "reabastecimento", abordámo-lo com um forte aperto de mão (não sentimos nada pegajoso). 

Então, que tal? Sabor a proeza? Como é que foi? 

- Temos de nos alhear de tudo. Concentrar na mulher e esquecer o resto. Tem de ser assim. Vim para cá com a ideia de fazer qualquer coisa de jeito e dar show, caso contrário nem valia a pena. 

Ora aí está. Mas não se pense que João Fernandes tem as mesmas teorias do "Baixinho" (Romário) no que toca a sexo antes da competição. Pelo contrário, o trepador alentejano de Elvas, que ejacula mais rápido que a própria sombra, gosta de se abster quatro ou cinco dias antes de uma prova. E nem é para não deixar mal a equipa, já que é concorrente individual, marcado por algumas cicatrizes de quedas. Eu mostrei-lhe algumas nos braços, feitas a bordo de uma Rodaplana de 5ª dupla, comprada no "Manel das Bicicletas", em Lousa, em 1977, por 3 mil e seiscentos escudos. Espetei-me por cima da linha de comboio da Malveira. Estava verde para as roseiras e eu não me apercebi. Entrei de um lado e saí do outro. Quando cheguei à Venda do Pinheiro e pedi uma "imperial" para esquecer, com o sangue seco nos braços, a malta perguntou-me: 

- Não digas nada! Estiveste a fazer testes para domador de tigres do circo... 

As cicatrizes do João eram nas ancas, as nossas nos braços. O que se lhe augura? Uma vida sem espinhos, no mundo da pornografia. Se é isso que ele quer, que a sorte lhe sorria. Desejar boas coisas ao próximo é prova de uma boa formação moral. 

O resto do Salão? Ah!, o que dizer? A dose habitual de multidão. Êxito de assistência, êxito comercial. Gente de todas as áreas e de todas as idades. Até meio da tarde ainda se consegue circular, depois as coisas começam a complicar-se. E reparem que os seguranças nem sequer têm estado a deixar entrar as muitas dezenas de pessoas que querem entrar para a Feira de Artesanato e se dirigem ao pavilhão 4... 

Só não percebo uma coisa: continua a ouvir-se da boca de muitos visitantes que o Salão está abaixo das expectativas. Olha se estivesse a cumprir com o que as pessoas queriam...

Dick Hard


   

 

 

 

Afunda-te nos números anteriores:

 

Número dois - o dia dos Ena Pá 2000 na ExpoFoda

 

Número um - o primeiro dia da ExpoFoda

 

Número zero - a apresentação da ExpoFoda

 

 

 

 

 

 

  

Manifestinhas da São Rosas

 

A funda São fez neste dia a sua excurSão à ExpoFoda.

Muitas fodografias se têm tirado e que iremos publicar 

nos próximos dias, juntamente com a análise (e vaginálise) 

do nosso tarado especial Luís Graça.

Mas hoje deixo aqui esta homenagem ao tipo mais esperto 

que encontrei no Salão Erótico:

 

  


(fo)dia-a-(fo)dia do I Salão Internacional Erótico de Lisboa

Esta página faz parte integrante do blog a funda São e não pode ser vendida separadamente.

Se queres comentar, envia um e-mail que nós agradecemos.