Esta foi, desde 2003 e durante seis anos, a página dos provérbios POPulares do blog a funda São.

Agora que há uma versão mais completa no livro «diciOrdinário ilusTarado», em 5 segundos irás viajar até à nova página.

Caso não haja esse reencaminhamento automático, podes cricar aqui.

     

Visita a página do «DiciOrdinário»

      

   

 

Em fodas e bacanais queremos sempre foder mais

Sol na eira, fode-a na banheira. Foda no nabal, que grande bacanal

O tesão passa mas a foda fica

O tesão faz o fodilhão

À primeira qualquer fode, à segunda fode quem pode

Quem fode por gosto não cansa

Diz o roto ao nu: vai apanhar no cu

Em tempo de seca fode-se até uma alforreca

Quem tem tesão pode foder, quem não tem fica a ver

Em terra de fodilhões tens que ter uns bons colhões

Mais vale foder pouco e bem que ser fodido por outrem

Fodinha a fodinha enche-se a coninha

Quem boa amante tem, depressa se vem

Quando fode um português, fodem logo dois ou três

Quem não fode por já ter fodido, não lhe acontece perigo

Um bom cu não tem sexo

Aos fodilhões, dá Deus um bom par de colhões

Se tens pau agarra-te a ele, se não tens agarra-te ao meu

Quarto minguante, caralho crescente

Caralho no cu? Yahuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu!

Quem boa cama fizer, nela irá foder

Quando a tusa falha não há bomba hidráulica que valha

Casa onde não há pau, se alguém fode... mau, mau!

Casa onde onde entra pau que não seja pela ausência, não é por falta de pau, é por falta de comparência. Mas se acaso outro pau se enfia, apesar das competências, é porque afinal há coisas que são dadas a urgências. Há sempre mais um pau, quando a fome não é pequena

A paixão, que não é de fodas acompanhada, não vale nada

O tesão cega o coração

Do caralho com experiência, aprende a mulher  a ciência

A lamber e a foder é que se chega a aprender

Quem com o diabo se deita acorda satisfeita

Quem não quer ser lobo não lhe veste a pele. Mas se vestir, lembre-se que o buraco do cu fica para trás

Quem fode uma feia, um pito lhe aparece 

Internet no trabalho é perigoso comó caralho

Quem tem cona tem quintas, quem tem piça tem um caralho! (provérbio do Norte) 

Feio, feio, é deixar uma foda a meio

Quem o demónio abraça, leva com ele na conaça 

Vale mais dar fodas de meias que dar meias fodas

Enquanto houver língua e dedo, não há cona que meta medo 

O povo quando abre a goela, tem uma razão do caralho! (seja para se pronunciar sobre a Net, seja para emborcar uns canecos, seja para engolir uns tarolos, ou para lamber umas cricas) 

Depois do S. Martinho é bom tê-lo no quentinho 

Cu perto é cu aberto 

Não há mal que se venha só 

De passarinha assustada, não se leva nada 

Piço escaldado de rata fria tem medo 

Mote:

Lindinho, lindinho...

Lindinho, lindinho, é a pilinha no buraquinho 

Lindinho, lindinho é o clito rijinho 

Lindinho, lindinho, são elas a fazerem festas ao passarinho 

Lindinho, lindinho, é o bicho a entrar e a sair sozinho 

Lindo, Lindo é a Graciete a aviar o Armindo 

Engraçado, engraçado, é dar uma queca de lado 

Giro, giro é esfregar no pau um dióspiro 

De pasmar, de pasmar, é ela a chupar e a cantar 

De encantar, de encantar, é senti-la a apertar 

Belo, belo é dar uma a ver o Sítio do Picapau Amarelo 

De animal, de animal, é dar uma a ver o Telejornal... ou a ver a Eucaristia Dominical 

Enfeite, enfeite, são bolas a bater nas nádegas da Manuela Ferreira Leite 

Amoral, amoral é ter colhões para mandar uma no Mota Amaral 

Chiça, chiça, que é preciso ter piça 

Feio, feio, é se eles não baterem em cheio 

Belos, belos, são aos pares os marmelos 

Duro, duro, é não ter a ratinha no seguro 

Seguro, seguro, é um vibrador, que está sempre duro 

Louca, louca é a tua voz rouca 

De derreter, de derreter, é ouvi-la a gemer 

Bom, bom, é mesmo fazê-las gritar alto e bom som 

Engraçado, engraçado eras tu em ponto de rebuçado

 

Quem o feio fode um pito lhe parece e o caralho lhe amolece 

Um homem com fome até uma melancia come 

Cona rapada dá melhor cabeçada

Só não acerta na sanita quem a tem mirradita 

Tomates escaldados de qualquer gesto têm medo 

Bom dia para todos que queiram foder a rodos 

Se os tomates não estão à beira, só se entraram de calçadeira 

Quem diz a verdade merece ir para o castigo 

Foder em espiral, na vida é fundamental 

Gaja sem segredos é como caralho no degredo 

Língua quente em rata fria, tanto dá até que... outra coisa enfia 

Quem monta e desmonta e ainda fica com maior ponta só fazendo de conta 

Querer é foder 

Nada melhor para uma senhoura que uma boa cenoura 

Uma nuvem no céu, já tudo ao léu! 

Se o sol está uma brasa, afinfa-lhe em casa 

Feio, feio, é deixar uma foda a meio 

Maravilha, maravilha, é foder a mãe e depois a filha 

Quem vai muito à fonte pode partir a bilha 

Quem faz o que fode, a mais não é obrigado 

Quanto mais estranhas, mais nas entranhas 

As mulheres de perna fina, pescoço alto, e mama chata, a foder não há quem as bata 

Nas depressões da vida, torna-te um cavalo de corrida 

Quando te sentires sozinho, toca à campainha do vizinho 

Mordisca cada azeitona mas deixa ficar o caroço 

Debaixo de uma oliveira dá-se sempre uma à maneira 

Um broche por dia é uma alegria 

Foder todos os dias queima muitas calorias 

No dia do santo casamenteiro é dia de traseiro 

Especiais Sol e Chuva

Mote dado pela Maria Árvore:
«Está um dia tão bonito e eu não fornico»
Adília Lopes

Quando chega o calorão, aumenta-me o tesão 

No frio do inverno só tenho um pavor: perder-te como cobertor 

Que linda noite de orvalho, e eu só como o caralho...

Em dia de nevoeiro não saias de casa sem foder primeiro

Está a rua toda molhada e eu não dou uma pinocada

Está um dia bonito e tão só está o meu pito

A rua cheia de granizo... e quem é que sodomizo?

Está um dia a preceito e não faço um alfinete de peito

Está um dia de sol e eu estou 'muita' mole

Depressa passa o tempo para quem depressa se vem

O Céu está a abrir e só me apetece cobrir

Se o céu está azul e o Sol brilha... aproveita e vai-lhe à bilha

Está um dia tão mortiço, e eu aqui sem um chouriço

Faça chuva ou faça sol a gaita do Vizinho nunca está mole

Faça chuva ou faça sol tenho-a sempre preparada prá minha chuvinha dourada 

Em dia límpido e claro serve-lhe bem o vergalho 

Se está bom tempo para praia encaixa-lho por debaixo da saia

Se o tempo fica cinzento apetece-me meter-to lento 

Quando chove fico denso e invado-te muito mais tenso 

Se o sol se põe ardente faz-me vir de repente

Se o sol já se escondeu quem te estilhaça sou eu 

Quando sobe a temperatura debulho-te a pele com ternura

Se o termómetro fervilha abeira-te ávida da minha braguilha 

O S. Pedro está forreta e eu aqui a bater à punheta 

Se te entro pela porta é para sentires que é torta

Com um seio em cada mão não te sei dizer que não

Se me engano no aperto é porque foi pelo mais estreito

Quando não há tesão todos esfregam até perder a razão

Chega a braguilha à brasa como o botão à casa

Devagar, devagarinho, deixa-o todo enterradinho 

Para não ganhar verdete, faça em cada dia um minete

Um quarto de hotel e pequeno-almoço ao meio-dia... e há que foder até ao fim do dia

Se na mala do carro há um cobertor aproveita e dá-lhe com fervor

Penso, logo... excito

Em casa de ferreiro espeto-lhe o pau

A coninha da vizinha é sempre melhor que a minha

Ao Diabo e à mulher nunca lhes falta o que foder

Se dizem que tu te vens, sem mesmo tu lá teres ido, o melhor é aviares-te, ou ainda acabas fodido

Quem tem medo de cagar não come

Roma e Pívia não se fizeram num dia

Ladrão que enraba ladrão tem 100 anos de prisão... a apanhar sabão...

Ter um mastro

 porta-bandeira e uma

 pilinha para sexo anal

(variante de «ter sol na eira e chuva no nabal») 

Ver e não foder faz a piça padecer

Quem dá tusa dá educação

Homem sem caralho, nem te dás ao trabalho

Bonito, bonito, são os colhões a bater no pito e as canções do Tó Zé Brito

De alto risco e pouca ética é broche com epiléptica

 Vale mais uma pívia à mão que duas quecas a sonhar

 Uma boca cheia de pêlos é lambê-los, é lambê-los!

 Se ao fim de uma bem dada te apetece sorrir, dá outra... que um sorriso é sempre bom de se vir 

 Ao casal gordo aflige este drama de opereta: Quando penetra não beija, quando beija não penetra.

 Maionese e molho verde são condimento atinado se pressentires na parceira cheiro a marisco passado 

Dá Deus os dedos 

a quem faltam nozes

 Lamber muito e titilar é a idade a avançar...

 Quando orares a Maomé vê lá bem quem tens ao pé...

 Se um rato pequenino tanto assusta o elefante nada melhor que uma rata para que ele se levante

 Se ao Pinóquio crescia o nariz quando mentia não cuides ao pinocar que a aldrabice é uma alegria

 O militar com a mão faz de dia continência e com a mesma ao deitar combate a abstinência  

 Quem com pívias vive à míngua morre

 Lema do pervertido: Uma no rabo, outra na dentadura. 

Muito honrado aquele que assuma 

que seguidinhas... só dá uma

 Descontracção ou achaque se no acto se ouve um traque

 O tamanho pouco importa - diz o frouxo à mosca-morta

 Quem muito cultiva o grelo não o esconda com cabelo

 Se só te excitas com a liga tens mais olhos que barriga

 Quem nas bordas usa anel pode estragar-te o pincel

 Nunca eu diga à mulher a quem a sede matei "OK, filha, tudo bem, dessa água não beberei..."

 Ao homem e à mulher que por amar se assemelhem é de bom tom, p'r'aquecer, que em frente ao outro ajoelhem

 A galinha da vizinha dá uma tusa danadinha

Ovelha que berra conhece o pastor

 Mamada ao relento o caralho apanha vento

 Minete que se faz é bom exemplo que darás

 Patroa com caralho, criada com trabalho

 Em puta de irmãos não metas as mãos

 Se o elevador está parado é porque o caralho está entalado

 Caralho prudente evita o acidente

 Chama-me devasso que te rebento o cabaço!

Quando a malta se esmera fode até ser Primavera

Beijar nádega não se nega. Beija-se até na adega

Morde o seio sem receio e ao mamilo é mamá-lo

Língua no ouvido te digo dá tremura no umbigo

O dedo a passar pelo rego inicia novo enredo

Sente o suave das coxas mesmo se és tu que amochas

Na nuca um sopro sentir

avisa-te do que está p'ra vir  

Massajar com creme um corpo alevanta até um morto

Boca do corpo polpuda... é sempre um deus-nos-acuda!

Há lá coisa mais airosa que descobrir o caminho que leva ao botão da rosa?

Quem bem souber do beijar dá volta inteira ao seu par

O amante que deixa de se vir, depressa vai partir

Amante atrevida, faz a mamada mais querida

Bestial, Bestial era ires comigo a um bacanal

Cada um fode onde menos lhe dói

O ânus é para enrabar pois nunca te vais fartar

Minetar na floresta nem sempre é o que nos resta

Deitar cedo e cedo erguer só se for para foder

A felicidade está onde cada um a põe

A felicidade do corpo consiste no prazer; e, a do espírito, no foder

O minete não é uma recompensa, é uma conasequência

Seria imparável se uma boca me chupasse de forma agradável

Se acaso receberes um telefonema não é engano. É um convite para um mano a mano

Cachorro de cozinha fode a donazinha

Matahary era espia e metia o dildo todo o dia

Quem com cordas age

é fã de bondage  

Se bate com prazer é sádico a foder

Cavalo formoso tem caralho volumoso

Cuidado com o Brunão [substituir pelo nome que interessar + "ão"], podes ter uma excitação

Ai, Brunão, Brunão [idem], é sempre bom ter-te à mão!

À menina do Barlavento ponho a mão lá dentro

Mulher devassa, quer pila sem traça!

Muito prometer é sinal de pouco foder

Se aqui quisesse foder na parede havia de bater

Grande prazer não escusa o gemer

Quem na verga força tem, o amor dela se vem

Excelente também era foder umas cem

Vir à São e à São vir dá saúde e faz-me sorrir (ou: Vir-me na São e a São vir...)

A menina São gosta de dupla penetração

Com KY gel 

levar no cu deixa de ser cruel  

Com favor e sem favor enrabadela é com manteiga Primor

Ser valente e ter mestria é fodê-la com magia

Pô-la a chorar é sinal de fervor, se não for de prazer há-de ser de dor

Se gostas de pancada temos masoquista na parada

Grão a grão... pode ser uma boa masturbação

Troca de casais é loucura demais

Há tempo para montar e tempo para falar!

Quem estas palavras lê fica com vontade de met"I"-la no "V"

Quem tem o coiso grande e não sabe escrever, é porque na escola passou o tempo a foder

Por trás ou pela frente vais-lhe se a tiveres quente

Libidinoso grelo é cona sem pêlo

Usa a língua com talento

ou sujeitas-te ao lamento

Se chegaste ao umbigo, aprofunda, meu amigo

Quem bem as laranjas espremer melhor sumo irá beber

Não penses demais no alvo, nem te percas nas escolhas. Vai-lhe onde der mais jeito, vai-lhe antes que encolhas

Queca adiada é menos uma queca dada (ou: Foda adiada, foda desperdiçada; ou: Foda não dada não é recuperada)

À menina e ao borracho meto-lhes eu a mão por baixo

Se ela confunde broche com alfinete não lhe faças um minete

Quem 60 a lamber, 70, vai-se foder

100 língua e dedo, vão-se 2/3 do putedo

Leva-a a 1/4 depressa e diz: 20 foder na peça

Molhada, molhadinha, desde o rego até à espinha

Tão bela como o laranjal 

é uma orgia com todo o pessoal

[não acreditem no Borda d'Água, que diz que é "... seja a tua alma pelo Natal"]

Matar dois colhões com um só cajado

Melhor que burro a pão de ló, só putas a bóbó

Fodilhão que se preze, recheio tipo duchaise

Recheando recheando, vai o fodilhão o papo aumentando

De recheio em recheio, faz o fodilhão seu recreio

Rata bem recheada, gaja apaparicada

O recheio salta quando faz falta

Quando tiver de ser, o recheio vais ver

Recheio orgulhoso é de tipo leitoso

Recheio ao amanhecer, dá saúde e faz crescer

Quem tudo quer, tarde ou nunca se endireita...

Quem ama a mulher casada, a vida tá encaralhada

O amante que se deixa ver, depressa se vai foder

Corno que sabe e consente, bem haja quem lho aumente

Amante atrevido, do vizinho o mais fodido

Amante que sabe o que deseja, mas não vê ao que se obrigará, tarde ou cedo enrabado será

Mau amante nunca é bom marido 

pois logo acaba fodido

Pila entalada no fecho éclair... homem distraído a olhar para a mulher

Calças só com botões, acabam-se as complicações

Calças só com botões, ficam de fora os colhões

Calça com um só botão, pouco trabalho p'rá São

No momento em que a alças

é melhor não usares calças

Gaita ao léu evita-se esse escarcéu

Perna escanchada, gaita enterrada

Nabo que tem talo é que tem terra

Brainstorming  popularucho, nabo no bucho. 

Brainstorming  em evolu São, malta a ficar com teSão

Saias rodadas

partes pudendas arejadas 

(saia de escocês, arejam os três)

Se acabas de cagar e a sanita está limpinha, vais-te borrar quando subires a cuequinha

Não adianta cagar cantando porque a merda não sai dançando

Calendário da foda proverbial: Não há foda como em Janeiro nem broche como em Fevereiro. Foda de Março, pode dar cagaço. Mês de Abril, quecas mil. Em Maio põe-te a olhar: se vires crescer podes foder; se vires mingar, põe-te a chorar. Em Junho e Julho, fode atrás do entulho. Minete em Agosto, de bacalhau tem gosto. Setembro setembrão, se não tens puta, toca à mão. Quecas em Outubro perdidas, nunca te serão devolvidas. Se não fodes em Novembro, não tens Natal em Dezembro

Para gajo que caga à porta, vai de pá que ele não se importa

Gente que não caga na sanita, tem a casa cheia de caquita 

Se não cagas tudo de uma vez, cagas em duas ou três 

Poio que ao cair não bate no fundo, não é deste mundo

Se mijas fora e cagas dentro

ou tens o pau torto ou o cu fora do centro

Gajo ocupado, pau levantado

Amar e amar, há vir-se e voltar... a vir-se 

Pixa fria, coração quente, queca adiada pra sempre

Quem não anda na Funda São ou é rabo ou não tem tesão 

Quem não fode, sai de cima 

Quem parte e reparte e não fode a melhor parte ou é parvo ou não tem bacamarte 

Se não te cabe na mão, está com um grande tesão 

A cona da tua vizinha é mais funda que a da minha 

Maminha ao léu

pilinha a olhar p'ró céu 

Bicos espetados, piços levantados 

Grelo que seque, bacamarte em cheque 

Dedo quente, grelo ardente 

Cona húmida e aberta, mangalho teso p'la certa 

Bom dia para todos que queiram foder a rodos 

Quanto mais prima mais se lha arrima (ou: Quanto mais prima mais caralho para cima)

Cu que fala quer bengala 

Cu que arrota quer pichota 

A boa pichota nunca falta xoxota 

A foder e a comer, não te fies no prazer 

A cona dada, não se olha o grelo 

Quem vê ratas, não vê corações 

Picha que não serve, enferruja 

Quem tudo quer , até a mulher perde 

Quem tudo quer

acaba a levar no esfíncter 

Gaja puta, mete-lhe à bruta. Gaja casta, mete-lhe até dizer basta 

Senhora refinada, basta querer e está perfurada. Senhora tosca, com sorte leva uma rosca 

Gajo distante, encavanço constante. Gajo perto, encavanço certo. Gajo concentrado, encavanço aproveitado. Gajo distraído, encavanço perdido 

Quem mama com sofreguidão, ou está com o cio, ou quer um galão 

Piça bem mamada, queca meio acabada 

Grelo bem lambido

coito bem sucedido

Cunnilingus bem esgalhado, fodilhão afamado 

Magana de piço na mão e boca aberta, quer nata p'la certa 

Dar uma de pé contra a parede, mata a fome e a sede 

E dar uma deitado contra o chão, fortalece a coluna e esvazia o quilhão 

Uma de joelhos, no pavimento, pode ser um grande sofrimento 

Deitado num palheiro

enche-te de palha o cagueiro 

Uma de bruços, na areia quente, até ficas com soluços e de pito ardente 

Seja como for, deitado no colchão, também dá tesão 

De barriga para baixo, agarrada ao aparador, sexo anal sem dor 

Gajo com cuidados e preocupação, nunca afiambra um mulherão 

Homem com cuidado, fica muito masturbado... e a pila canta um triste fado 

De cabeça no chão, a fazer o pino, dá-se cabo do intestino 

Peidinha sentada na escada, boca ocupada 

Cuzinho do tamanho de um coentro, tooooodo lá dentro 

Pila que se perde, dono que se desemerde 

Boca com arte para a mamada

engole uma litrada

Tomatada atestada, garganta rebentada 

Tomate vazio, outra vez com cio 

Bacamarte maior que o pé, hoje é que vai ser, olaré! 

Pila inchada, meteu-se onde não era chamada 

Tomate cheio, queca que ficou a meio

Mulheres sem mamas ou fufas ou sacanas 

A rir a rir 

estás aqui estás a parir 

Nem tudo o que arde é esquentamento

Gaja de grelo apertado, está a pedir que seja martelado 

Piquena com conversa da treta, arrefinfa-lhe na greta

Primavera a despontar, é sempre o nabo a trabalhar

Sol de verão, nabo na mão. Outono a amainar, mas o nabo não quer descansar. Chuva de Inverno, nabo no Inferno 

Mais vale uma louca na cama que uma choca que não mama 

Há mar e mar, há o vir-me e voltar a dar 

Em casa de ferreiro, à mulher espeta-lhe no cagueiro 

Passarinho que canta assim já engoliu muita minhoca 

Nabiça grelada, piça entusiasmada 

Piça sem retórica

 fica a cona eufórica 

Piço com argumentos, bordos sumarentos 

Enquanto a dor me ataca, vou ali fazer caca, trai larai larai 

Amigo que não presta e faca que não corta: pior do que isso é ficar com a piça torta 

No dia de S. Martinho prova a mulher do teu vizinho 

Na casa deste home quem não chupa não come 

Não guardes para amanhã o que podes foder hoje 

Quem ordenha quer mamar 

Quem a perna escancha, quer levar co'a prancha 

Quem foge do Diabo, quer é levar com um nabo 

Quem foge de grelo como o diabo da cruz, ou é tolo ou só gosta de cus 

Quem do Diabo tem medo, só se safa com o dedo 

Quem prefere pinar no Verão, tem de suar até mais não 

Só não acerta na sanita quem a tem mirradita 

Deitar cedo e cedo erguer, só se for para foder

Em terra onde a vista a todos falta, quem tem um olho enraba toda a malta

Quem cabritos vende e cabras não tem, certamente fode alguém

Debaixo dos pés se levantam os trabalhos, debaixo dos lençóis se levantam os caralhos

Antes de casar vê se tens tesão, de contrário serás cabrão

Picha murcha em cona dura, pode marrar que não fura

O comer e o foder

são bons para entreter

A mulher e a pescada, querem-se de cona apertada

Homem prevenido não é fácil ser fodido

Fecho das calças aberto... a São está por perto. Fecho das calças a rebentar... a São está a chegar

 


Provérbios populares originais (ou não) de 1313, A.R., Ana e Jorge, Bichana Gato, Branco Velho, Bruno, Coiso Grande, Cruijff, Dentes, Didas, Fernando, Ferralho, Gaita, Gotinha, Inha, Isso Agora..., JF, Jorge Costa, José Luís, Karl Marqs, Katraponga, Luis Graça, Luis Barreiro, Maria Árvore, Matahary, Mano 69, Matrix, Mergulhador, Não Vou Por Aí, Oco, OnanistÉlico, OrCa, Panzer, Pedro Oliveira, Pois..., Predatado, Senhor Sepultura, Seven, SirHaiva, Sónia, Super Tongue, Tiko Woods, Titas, Vizinho, e da própria São Rosas.

Podem ser reproduzidos, desde que mencionada a origem.

Se querem comentar, enviem-me um e-mail que eu agradeço.